Arquivo de dezembro, 2014

30.12.2014
Do portal BRASIL247

“O governo do PT é o pior governo que já passou pelo Brasil. Resta saber para quem. Essa é a pergunta que deixo para Ary Fontoura que, se preferir, pode até interpretar no palco a sua resposta”, diz o jornalista Marco Piva; “A liberdade de expressão está garantida na Constituição. Falta agora assegurar a pluralidade de informação. Uma carta com esse pedido especial o ator global poderia enviar para a família Marinho”

:
Por Marco Piva, na Carta Maior

Não é de hoje que artistas mostram suas preferências políticas e, a partir de sua condição pública, dizem coisas mais sérias e ajudam, bem como podem escorregar e não passarem de ventríloquos do senso comum. Parece ser este o caso de Ary Fontoura que pediu, em postagem nas redes sociais, a renúncia de Dilma Roussef. Apesar de deixar claro a que tipo de renúncia se referia, o que faz no final do texto, o ator global desfia uma série de jargões que não fariam feio na boca do mais despolitizado dos brasileiros em conversa de botequim.

Como explicar, então, que uma pessoa com longa vida profissional e a vivência do teatro, local de excelência para o exercício da cultura, faça o papel de reprodutor inocente de frases comuns? Vejamos algumas delas.

(…) renuncie à falta de vergonha e aos salários elevados de muitos parlamentares (…) renuncie ao apadrinhamento político, aos parasitas, ao nepotismo; renuncie aos juros altos, aos impostos elevados, à volta da CPMF; renuncie à falta de planejamento, à economia estagnada; renuncie ao assistencialismo social eleitoreiro; renuncie à falta de saúde pública, de educação, de segurança (Unidade de Polícia Pacificadora não é orgulho para ninguém); renuncie ao desemprego; renuncie à miséria, à pobreza e à fome; renuncie aos companheiros políticos do passado, a velha forma de governar e, se necessário, renuncie ao PT”.

Ao juntar alhos com bugalhos, em nome de uma suposta indignação que teria atingido “200 milhões de brasileiros” pelo quais diz falar, Ary Fontoura perde a grande chance de colocar os pingos nos “is”. O pedido de “renúncia” à falta de vergonha e aos salários elevados de parlamentares, bem como aos parasitas, ao nepotismo e à velha forma de governar, caberiam bem numa ampla e profunda reforma política, expressão que não sai da boca do ator em nenhum momento. Esse tipo de reclamação óbvia continua quando pede a “renúncia” aos juros altos, aos impostos elevados, à volta da CPMF, combinando com a “renúncia” à falta de planejamento, à economia estagnada. Mais uma vez, nenhuma palavra, sequer um miado, sobre a estrutura econômica vigente no Brasil há décadas, há séculos, e que para ser enfrentada exige exatamente um tipo de governo que ele não quer, embora nos anos de chumbo tenha flertado com a rebeldia de esquerda.

Merecem destaques as “renúncias” ao assistencialismo social eleitoreiro (bolsa-família, é claro), ao desemprego (onde ele vê isso, não sei), à miséria, à pobreza e à fome. Certamente seu olhar não passa do morro do Corcovado ou da ilha da fantasia Projac, onde aluga, como qualquer trabalhador, sua mais-valia às Organizações Globo, o maior conglomerado de comunicação brasileiro e que amealhou bilhões em verbas federais de publicidade entre 2000 e 2013. Cabe aqui, literalmente, a frase que se tornou popular nos discursos do ex-presidente Lula: nunca antes na história desse país se combateu tanto a miséria, a fome, a pobreza e o desemprego. Mas, isso não consta na indignação seletiva de Fontoura.

O “grand finale” vem do seu pedido à Dilma para que renuncie “aos companheiros políticos do passado, a velha forma de governar e, se necessário, renuncie ao PT” e “se permita que a sua história futura seja coerente com o seu passado”. Muito interessante. Dê banho na criança, jogue ela fora junto com a água suja e você terá um ser limpinho e cheiroso. Ou seja, passe uma esponja em tudo o que você acreditou e acredita que esta é a melhor forma de construir o futuro. Claro que ele se refere ao futuro na narrativa da mídia conservadora, da oposição golpista e dos interesses internacionais que não suportam uma soberania brasileira ativa e altiva.

O governo do PT é o pior governo que já passou pelo Brasil. Resta saber para quem. Essa é a pergunta que deixo para Ary Fontoura que, se preferir, pode até interpretar no palco a sua resposta. A liberdade de expressão está garantida na Constituição. Falta agora assegurar a pluralidade de informação. Uma carta com esse pedido especial o ator global poderia enviar para a família Marinho.
****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/165031/Ary-Fontoura-e-a-arte-do-senso-comum.htm

30.12.2014
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães
Testi capaHá pouco mais de dez dias, recebi mensagem privada, via Facebook, de alguém que, apesar de ler o Blog da Cidadania há sete dos dez anos de existência da página, jamais havia me procurado ou mesmo comentado naquele espaço.

Confira, abaixo, a mensagem de Enzo Fachini Testi, de Maringá.

Testi 1Fiquei comovido e honrado. São pessoas como essas que me impedem de mandar tudo para o espaço, porque não é fácil ser blogueiro de esquerda em um país como este – você não ganha dinheiro, expõe-se à hidrofobia da direita e trabalha MUITO.

Aceitei o convite de Enzo sem nem mesmo saber direito que dia e hora ele e a família me convocariam para o encontro. No fim, marcamos para o dia 27 (último sábado), à tarde, em um lugar que Enzo considerou que seria emblemático: o restaurante Sujinho, reduto dos “blogueiros sujos”.

Além da honraria de ser considerado tão importante por uma família linda como aquela, ver que Moisés Testi, o patriarca, tem filhos que o amam tanto a ponto de lhe preparar uma surpresa como essa, aqueceu-me o coração.

Chega o sábado. Até havia me esquecido do compromisso. Por volta das 15 horas, toca o celular. Era Enzo, avisando-me de que já estava com o pai no Sujinho, à minha espera. Porém, Moisés não sabia que eu iria encontrá-los e estava impaciente, porque ainda tinha compromissos em São Paulo antes de voltar para Maringá.

Lamentavelmente, só pude me desvencilhar do que estava fazendo lá pelas 16:30 horas; cheguei ao Sujinho às 17 horas.

O restaurante estava lotado e eu não sabia quem eram as pessoas que me esperavam, mas bastaram poucos passos diante do restaurante para ser reconhecido e chamado por Enzo. Foi tocante ver a surpresa do pai, Moisés. Achei que ele ficou emocionado.

Que pai não ficaria, vendo um gesto de carinho como esse partindo dos filhos?

Conversamos por umas duas horas, acompanhados por litros de cerveja e uma bela porção de picanha como aperitivo. Durante o papo, pude saber mais sobre essa família admirável. Sobretudo sobre a luta dos Testi na ultra conservadora Maringá.

Moisés Testi tem 60 anos. É empresário do ramo alimentício em Maringá. Tem dois filhos, Enzo (29 anos) e Lorena (15 anos) – na foto, também aparece Leonardo (23 anos), o sobrinho. Todos eles leitores deste Blog desde 2007, quando a página já tinha 2 anos e surgiu o Movimento dos Sem Mídia.

Quem apresentou o Blog à família foi Enzo, quem, hoje, tem 29 anos e então, lá em 2007, tinha 23 anos.

A família Testi é de esquerda e apoia o PT. Isso, em Maringá, é prova de coragem. Para que se possa mensurar quanto é difícil, relato alguns fatos da história dessa família.

Moisés era empresário de outro setor; tinha a maior locadora de vídeos da cidade, frequentada, em peso, pela elite maringaense. O negócio, segundo relata o patriarca da família Testi, “morreu” devido ao avanço da tecnóloga.

Segundo Moisés, quando ele soube que a rede de locadoras americana Black Buster pediu concordata, ele se deu conta que seria melhor mudar de atividade. Porém, para que se possa mensurar a seriedade desse homem, ele não vendeu a empresa; encerrou-a.

À época, lá pelo início do governo Lula, teria sido possível vender a maior locadora da cidade para algum desavisado. Mas Moisés não quis empurrar o “abacaxi” para que, segundo ele, outra família sofresse como a sua estava sofrendo, com falta de clientes.

O lado mais triste dessa história, porém, é que o negócio de Moisés afundou antes da hora por conta de suas crenças políticas.

Com tristeza no semblante, ele relata episódio envolvendo um dos seus clientes mais frequentes e queridos, à época: Dalton Moro, já falecido, pai do juiz Sergio Moro, que conduz as investigações da Operação Lava Jato.

Eis o que houve: em 2002, esse senhor foi à locadora de Moisés e lhe perguntou se era verdade que ele iria votar em Lula, ao que obteve imediata confirmação. Naquele momento, ele pagou o que devia ao estabelecimento e disse ao estupefato Moisés que por conta da opção política dele nunca mais entraria em sua loja.

A partir dali, a locadora foi parando, parando, até que parou de vez. A empresa, que vinha crescendo, parou de crescer e a crise que atingiu esse mercado de locação de vídeos chegou antes para o negócio de Moisés.

Muitas vezes sou assaltado por dúvidas quanto ao que faço neste blog. Será que vale a pena? Será que não estou perdendo meu tempo, bradando no deserto? A família Testi me mostra que não. Alguma coisa boa devo estar fazendo aqui, para merecer a amizade anônima de gente como aquela.

Obrigado, Enzo. Obrigado, Leonardo. Obrigado, Lorena. E, acima de tudo, Obrigado, Moisés. Vocês me deram o melhor presente de 2014. Dinheiro nenhum seria capaz de comprar tão bela dádiva, que só nobreza moral como a dos Testi pode oferecer.
*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2014/12/a-valente-familia-testi-e-a-ascendencia-do-juiz-sergio-moro/

30.12.2014
Do portal ATA NEWS, 29.12.14
Por

Funcionário de carreira do INSS, Gabas sempre foi próximo da presidenteO araçatubense Carlos Eduardo Gabas será efetivado como ministro da Previdência Social a partir de 1º de janeiro. Seu nome aparece em lista de novos sete ministros divulgada pela presidência da República nesta segunda-feira (29).

Gabas já ocupou de forma interina o ministério por algumas vezes, em especial no final do segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Agora, comandará a pasta como titular. Ele é funcionário do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Além de Gabas, também foram anunciados nesta segunda-feira, como ministros, Antonio Carlos Rodrigues (Transporte); Gilberto Occhi (Integração); Miguel Rossetto (Secretaria Geral); Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário); Pepe Vargas (Relações Institucionais) e Ricardo Berzoini (Comunicações)

De um total de 39 ministros, a presidente Dilma Rousseff (PT) já tem em mãos o nome de 24. Os demais deverão ser anunciados até a data da posse para seu segundo mandato, no primeiro dia de 2015.

Gabas sempre foi muito ligado a Dilma em seu primeiro mandato. Ele ganhou destaque Nacional pelo serviço prestado à frente da Previdência Social, mesmo não sendo o titular da pasta, e pelo fato de ter legado a presidente para passear de moto pelas ruas de Brasília.

Araçatubense, o novo ministro é tido pelo prefeito Cido Sério (PT) como “embaixador” do município na capital federal. Ele é responsável por intermediar boa parte das conquistas já obtidas pela administração municipal junto ao governo federal.
******
Fonte:http://www.aracatubanews.com/index.php/noticias/17221-aracatubense-carlos-gabas-sera-ministro-da-previdencia-social

30.12.2014
Do portal BRASIL247
:
Acabam de ser divulgados os nomes de mais seis ministros do segundo governo Dilma; além de Ricardo Berzoini, que assume as Comunicações com a missão de retomar do debate sobre a democratização da mídia, estão confirmados Miguel Rosseto (Secretaria Geral), Pepe Vargas (Secretaria de Relações Institucionais), Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário), Carlos Gabas (Previdência), Gilberto Occhi (Integração Nacional) e Antonio Carlos Rodrigues (Transportes)

247 – O Palácio do Planalto divulgou, nesta segunda-feira, uma nova leva de ministros. Foi confirmado, nas Comunicações, Ricardo Berzoini, do PT, que terá a missão de retomar o debate sobre a democratização da mídia. Confira, abaixo, os nomes:

A presidenta Dilma Rousseff anunciou hoje novos nomes do seu ministério.

São eles:

Antonio Carlos Rodrigues (Transporte);

Gilberto Occhi (Integração);

Miguel Rossetto (Secretária Geral);

Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário);

Pepe Vargas (Relações Institucionais).

Ricardo Berzoini (Comunicações);

Carlos Gabas (Previdência)

A presidenta agradeceu a dedicação dos ministros:

Francisco Teixeira (Integração),

Garibaldi Alves (Previdência Social)

Gilberto Carvalho (Secretaria Geral)

Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário),

Paulo Bernardo (Comunicações);

Paulo Sérgio Passos (Transportes),

Ricardo Berzoini (Relações Institucionais),

A posse dos novos ministros será realizada no dia 1º de janeiro.
****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/poder/165008/Dilma-confirma-Berzoini-e-mais-seis-ministros.htm

29.12.2014
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

Da Rede Brasil Atual:

Belluzzo critica ação dos cartéis da construção e da informação na crise

Economista diz que Dilma é uma das poucas pessoas por quem põe ‘a mão no fogo’. Para ele, presidenta é ‘atormentada’ por cartéis e o que ‘estão fazendo com a Petrobras é imperdoável’

São Paulo – “A economia brasileira tem os seus cartéis, dentre os quais os mais importantes são as empresas de construção”, diz o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, professor da Unicamp. Em entrevista ao Seu Jornal, da TVT, Belluzo afirma que a importância do setor de construção da economia – junto com a Petrobras responde por sete a nove pontos percentuais da taxa de investimentos no país – não exime os empresários do setor de serem punidos com o rigor da lei. “Estou defendendo as empresas, e não os empresários, os que cometeram malfeitos têm de cumprir o que a lei manda.”

Ele vê no entanto, que a crise da Petrobras envolve, além os casos de corrupção – que têm de ser investigados e solucionados para que a empresa se recupere –, questões geopolíticas externas e interesse internos: “Está lá no Congresso o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) clamando pela mudança do modelo de partilha para o modelo de concessão. Concessão é adequado para quando você vai descobrir as reservas de petróleo. Você não pode aplicar isso a reservas já descobertas, seria uma impropriedade. Isso envolve uma questão geopolítica, de interesse, no fundo, de se privatizar ao máximo a exploração do petróleo e tirar do controle da Petrobras”, observa. “Por isso o caso da Petrobras é muito grave. Isso que foi feito é imperdoável, porque fragiliza muito a empresa.”

O economista se solidariza com a presidenta Dilma Rousseff: “É uma das poucas pessoas pelas quais eu ponho a mão no fogo. Eu sei que ela deve estar atormentada e é inacreditável que tentem imputar a ela alguma coisa parecida com corrupção”, diz. E faz uma referência à atuação da imprensa brasileira. “A imprensa brasileira é um cartel. Um cartel da informação, o que é grave para um país que quer avançar na democracia, na melhoria dos padrões de convivência. É preciso diversificar os meios de comunicação e não permitir que o cartel continue operando. E o cartel está operando.”
*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/12/29/belluzzo-crime-do-petrolao-e-o-cartel/

29.12.2014
Do portal da UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
O Teremim

Um dos primeiros instrumentos eletrônicos, o theremin, também é um dos mais extraordinários na performance musical. Para tocá-lo não é necessário o contrato físico com o instrumento. Basta aproximar e distanciar as mãos de suas antenas.

Desenvolvido pelo físico e músico russo Lev Sergeivich Termen (Léon Theremin) em 1920, o theremin foi patenteado em 1927 e produzido por vários anos nos Estados Unidos pela RCA Victor. Antes de desenvolver o primeiro sintetizador, Robert Moog construiu vários modelos de theremins entre 1950 e 1960. Atualmente a Moog Music é a principal fabricante de theremins.

Osciladores são usados para produzir sons que, por usa vez, são amplificados e ouvidos através de alto-falantes. Na execução do instrumento, em geral, a mão direita controla a altura do som (frequência) enquanto que a esquerda controla a amplitude do som (volume). Movimentos rápidos com a mão direita próximos à antena vertical, que controla a frequência, produzem efeitos de vibrato. Movimentos rápidos com a mão esquerda na antena circular, que controla o volume, produzem efeitos de trêmolo.

O theremin produz um sinal de áudio pela combinação de duas altas frequências de rádio diferentes. A capacitância do corpo humano próximo às antenas causa mudanças na frequência do sinal de áudio.

É um intrumento difícil de ser tocado, necessitando ótimo senso de afinação e audição por parte do executante. Geralmente são produzidos sons em glissandos, mas um bom instrumentista porderá produzir notas em staccato.

O primeiro compositor a incluir o theremin em peças orquestrais foi o russo Dmitri Shostakovich. em 1931 esse compositor utilizou o intrumento na trilha sonora do filme Odna. O som eletrônico do theremin foi muito utilizado para produzir efeitos sonoros e melodias em trilhas sonoras de filmes como O dia em que a Terra parou – (1950).

Alguns virtuoses do theremin ajudaram a divulgar o instrumento e colaborar para seu reconhecimento e utilização em repertórios de música erudita. Entre eles destacam-se Clara Rockmore e Lydia Kavina. No Brasil, foi construído e utilizado por Jorge Antunes, na década de 1960, em composições eletroacústicas pioneiras de sua autoria.

O theremin começou a ser empregado na música pop a partir de 1960. Brian Wilson, do grupo The Beach Boys, utilizou sons do theremin na gravação do hit The Good Vibrations em 1966. O guitarrista Jimmi Page, do Led Zeppelin, realizou shows tocando theremin na música Whole Lotta Love.

Após o lançamento do filme Theremin – An Eletronic Odissey em 1994, um ano após a morte de seu inventor, o instrumento despertou ainda mais o interesse de músicos contemporâneos, que o têm utilizado para música eletroacústica e experimental
*****
Fonte:http://www.ufrgs.br/mvs/Periodo01-1919-Teremin.html

29.12.2014
Do BLOG DAS CIDADES, 02.09.14
Por Adriana Delorenzo
Saneamento básico: os melhores e piores municípios do Brasil
Foi divulgado o Ranking do Saneamento 2014 com indicadores dos cem maiores municípios brasileiros em relação a abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto e perdas. Das 20 melhores cidades apontadas no estudo, 11 são do Estado de São Paulo, três de Minas Gerais, quatro do Paraná e duas do Rio de Janeiro. O estudo, realizado pelo Instituto Trata Brasil, analisou dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis) de 2012, do Ministério das Cidades.

Segundo o ranking, em relação à agua, com exceção de São José do Rio Preto, os 20 primeiros colocados possuem sempre mais do que 95% de atendimento e 12 fornecem o serviço de abastecimento universalizado. A média de atendimento para o grupo dos 20 é de 99,3%, enquanto a nacional é de 82,7%.

Já no que diz respeito à coleta de esgoto, dos 20 primeiros colocados, apenas o município de Praia Grande não possui mais de 90% de atendimento. Somente Santos, Franca e Belo Horizonte possuem o serviço universalizado. Enquanto a média dos 20 é de 95,7%, a nacional é de 48,3%. O tratamento é o que apresenta menores índices. Mas mesmo a média da grupo é de 81,1%, bem acima da média nacional de 38,7%. Os municípios de Franca, Maringá, Jundiaí, Sorocaba, Curitiba, Taubaté e Niterói tratam mais de 90% do esgoto que produzem.

Confira abaixo a lista das 20 cidades mais bem classificadas e as últimas 20, segundo o ranking. Veja a íntegra aqui.

As melhores
1º Franca (SP)
2º Maringá (PR)
3º Limeira (SP)
4º Santos (SP)
5º Jundiaí (SP)
6º Uberlândia (MG)
7º São José dos Campos (SP)
8º Sorocaba (SP)
9º Curitiba (PR)
10º Ribeirão Preto (SP)
11º Ponta Grossa (PR)
12º Taubaté (SP)
13º Londrina (PR)
14º Niterói (RJ)
15º São José do Rio Preto (SP)
16º Volta Redonda (RJ)
17º Praia Grande (SP)
18º Belo Horizonte (MG)
19º Uberaba (MG)
20º Piracicaba (SP)

As piores
81º Natal (RN)
82º Manaus (AM)
83º Várzea Grande (MT)
84º Cariacica (ES)
85º Aparecida de Goiânia (GO)
86º Belford Roxo (RJ)
87º Canoas (RS)
88º Juazeiro do Norte (CE)
89º Teresina (PI)
90º São Gonçalo (RJ)
91º Santarém (PA)
92º Gravataí (RS)
93º Duque de Caixas (RJ)
94º São João de Meriti (RJ)
95º Nova Iguaçu (RJ)
96º Macapá (AP)
97º Belém (PA)
98º Jaboatão dos Guararapes (PE)
99º Ananindeua (PA)
100º Porto Velho (RO)

(Foto capa: Ruas da Estrutural, Brasília, em 2008. Crédito: Valter Campanato/ABr)
*****
Fonte:http://www.revistaforum.com.br/blogdascidades/2014/09/02/saneamento-basico-os-melhores-e-piores-municipios-brasil/

29.12.2014
Do portal BRASIL247

:
Depois de classificar o tucano Aécio Neves (PSDB-MG), a quem apoiou abertamente para a presidência da República, como o pior senador do Brasil, com nota zero, a revista da Editora Abril tentou se explicar; disse, em nota, que seu desempenho parlamentar foi afetado pela campanha presidencial, que o afastou do Senado; a revista não informa, no entanto, que os dois primeiros colocados no ranking, os senadores Eduardo Amorim (PSC-SE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), também concorreram a cargos majoritários, disputando os governos de Sergipe e Rio de Janeiro; uma explicação mais plausível é o apoio precoce da Abril a nomes como Geraldo Alckmin ou José Serra em 2018

Minas 247 – A informação publicada pelo 247 sobre a nota zero dada pela revista Veja ao tucano Aécio Neves (PSDB-MG), num ranking que o classificou como o pior senador do País (leia mais aqui), causou tanto rebuliço nas redes sociais (foram mais de 60 mil compartilhamentos no Facebook até agora), que levou a própria Editora Abril a tentar explicar a saia justa com o candidato que apoiou abertamente na sucessão presidencial.

Em nota, a revista Veja informa que o desempenho de Aécio foi afetado pela campanha presidencial, que teria provocado seu afastamento das atividades parlamentares. “Os mais de 51 milhões de votos obtidos por Aécio na disputa presidencial vencida por Dilma Rousseff, com vantagem de pouco mais de 3 milhões de votos, indicam a relevância e a aprovação por um imenso grupo de brasileiros do trabalho parlamentar do senador mineiro desde fevereiro de 2011, respeitado tanto por companheiros de partido como por opositores”, diz a revista. “Sua posição no Ranking do Progresso em 2014 é, portanto, um ponto absolutamente fora da curva.”

No entanto, os dois primeiros candidatos nesse ranking elaborado por Veja, os senadores Eduardo Amorim (PSC-SE) e Lindbergh Farias (PT-RJ), também foram candidatos a cargos majoritários em 2014, aos governos de Sergipe e Rio de Janeiro, sem que isso afetasse seus desempenhos parlamentares.

Uma análise possível para o zero de Veja em Aécio é uma eventual sinalização para 2018, ano em que as elites paulistas apoiariam o governador Geraldo Alckmin ou o senador eleito José Serra para a presidência da República (leia mais em ‘Nota zero de Veja em Aécio já o exclui de 2018?’).

Leia, abaixo, a nota da Abril sobre a classificação de Aécio:

O que explica o mau desempenho de Aécio Neves no Ranking do Progresso?

O que explica a má colocação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) na edição de 2014 do Ranking do Progresso de VEJA em parceria com o Núcleo de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Necon)? Candidato à Presidência desde junho deste ano, Aécio saiu em campanha pelo país, o que evidentemente o afastou de Brasília e da movimentação cotidiana do Senado. Era natural, dada a ausência, imperativa aos candidatos a qualquer cargo, mas sobretudo aos postulantes a presidente, que Aécio fosse penalizado por dedicar menos tempo à atividade legislativa, votando menos do que poderia, por exemplo. Se tivesse votado em todas as ocasiões e aproveitado as oportunidades para fazer mais pronunciamentos e apresentar mais emendas, Aécio apareceria melhor posicionado na listagem. Os mais de 51 milhões de votos obtidos por Aécio na disputa presidencial vencida por Dilma Rousseff, com vantagem de pouco mais de 3 milhões de votos, indicam a relevância e a aprovação por um imenso grupo de brasileiros do trabalho parlamentar do senador mineiro desde fevereiro de 2011, respeitado tanto por companheiros de partido como por opositores. Sua posição no Ranking do Progresso em 2014 é, portanto, um ponto absolutamente fora da curva
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/164914/Veja-nota-zero-de-A%C3%A9cio-%C3%A9-%27ponto-fora-da-curva%27.htm

15.12.2014

Do BLOG DA CIDADANIA, 14.12.14

Por Eduardo Guimarães

manchetes capa

Fazer jornalismo influente, no Brasil, tornou obrigatória a eficiência na composição de manchetes que – pela “eloquência” – induzam o leitor a, não raro, formar opinião sem ter lido nada além do título da matéria, seja opinativa ou noticiosa. Isso é contingência de uma era em que a quantidade de informação disponível excede a disponibilidade de tempo do leitor.

A despeito da necessidade de consumir informação com mais rapidez, a tendência cultural do brasileiro, por triste que seja admitir, é injustificadamente tendente ao mínimo de leitura e ao máximo de conclusões apressadas sobre ideias prontas.

Nesse aspecto, o conteúdo das matérias – sobretudo as da grande mídia, que atingem camadas menos intelectualizadas da sociedade – acaba servindo apenas para justificar manchetes que costumam dizer o que aquele conteúdo a que remetem não diz.

Manchetes que acusam encimam textos que revelam açodamento, manchetes que absolvem emolduram justificativas facciosas. Mas o pior é que a hierarquização das manchetes, fenômeno que ocorre em veículos que divulgam vasto conteúdo, decorre de manipulações desonestas que buscam evidenciar o que interessa e esconder o que não interessa.

Essa prática ocorre hoje em grande profusão nas mídias controladas por impérios de comunicação que, em nosso país, resumem-se a, no máximo, uma dúzia de grupos empresariais, mas que, no cerne, originam-se de quatro grandes grupos de mídia.

Organizações Globo, Grupo Folha, Grupo Estado e Editora Abril são responsáveis por uma parte descomunal e desproporcional do conteúdo jornalístico e de entretenimento. São aberrações geradas pela concentração arcaica da propriedade de meios que vitima o país.

Diante desse universo microscópico de fontes originais de conteúdo, constata-se uma tragédia: todos acalentam as mesmas posições políticas, ideológicas, comportamentais, econômicas etc., reduzindo o debate de ideias a um monólogo estúpido.

Em razão de tal quadro, não é preciso gastar tempo buscando diferenças entre os Quatro Cavaleiros do Apocalipse da comunicação. Viu um, viu todos. Este Blog, por exemplo, elegeu o Grupo Folha como amostra generalista, ainda que seja necessário ficar de olho nos outros braços desse oligopólio. Porém, o foco em um de seus braços economiza tempo.

Nesse aspecto, a última edição dominical da Folha de São Paulo nos oferece um belo exemplo de como a escolha de manchetes de primeira página – equivalente da “escalada” dos telejornais, por exemplo – é uma “ciência” que não obedece à mais tênue noção de lógica e interesse público.

manchetes 1Na última sexta-feira, este Blog publicou matéria que afirmou que a lista de “vítimas de terroristas” divulgada pelo Clube Militar para se contrapor ao relatório final da Comissão da Verdade continha toda sorte de manipulações, inclusive a de citar vítimas falsas da guerrilha de esquerda do período ditatorial.  A edição em questão do jornal citado, avançou no tema.

Contudo, apesar de a Folha ter feito boas matérias sobre o assunto, escolheu para ir à primeira página a matéria menos importante. Para entender por que, lembremo-nos de uma frase que todo estudante de jornalismo acaba conhecendo. No século XIX, o jornalista norte americano John B. Bogart ensinou que “Se um cachorro morde um homem não é notícia, mas se um homem morde um cachorro, é”.

Passemos, então, às matérias da Folha sobre a tal “lista de vítimas” emitida na semana passada pelo Clube Militar. Apesar de o jornal ter publicado várias, escolheu uma para a primeira página e pôs as seis matérias (inclusive a de capa) nas longínquas páginas A10 e A11.

manchetes 2

Como se vê na matéria que foi para a primeira página, tanto a manchete como a legenda sob ela opõem as “vítimas da esquerda” aos trabalhos da Comissão da Verdade. Essa ideia pronta, porém, não oferece ao leitor a mínima noção de que a tal lista de “vítimas da esquerda” contém várias farsas, apesar de a matéria em evidência dizer isso.

A matéria em evidência na primeira página não explica que pessoas que figuram na lista de mortos do Clube Militar foram encontradas vivas, ou que muitas foram mortas pela própria repressão do regime militar.  As matérias lá das páginas A10 e A11 dizem tudo isso. Inclusive a matéria a que a manchete de capa remete.

Mas uma dessas matérias mostra um fato extremamente importante para que as pessoas entendam por que não faria sentido incluir as ações da guerrilha de esquerda nos trabalhos da Comissão da Verdade.

manchetes 3Como se vê, pessoas que praticaram atos de violência no âmbito da resistência ao governo ilegal decorrente de um golpe de Estado foram presas e torturadas. Cumpriram pena, inclusive. Inclusive as que não cometeram atos de violência, como a própria presidente Dilma Rousseff, que jamais foi acusada desse tipo de ação, apesar de ter sido barbaramente torturada, tendo hoje problemas nos dentes da frente por conta dos socos que levou na boca, violência que sofreu estando indefesa e amarrada diante dos verdugos da ditadura.

A esquerda foi brutalmente penalizada por reagir ao estupro da democracia que a ditadura praticou. Só quem nunca pagou por seus crimes foram os autores de atos diabólicos de tortura que impressionam pela “criatividade” em infligir sofrimento àqueles que queriam que dessem informações.

Só para não estender muito um assunto doloroso e chocante, o relatório da Comissão da Verdade cita torturas como colocar pregos em pênis ou baratas em vaginas durante os “interrogatórios” da ditadura. Acadêmicos, religiosos, estudantes, pessoas que jamais pegaram em armas passaram por isso.

A esquerda não praticou nada igual.

Desse modo, a iniciativa do Clube Militar de publicar uma lista com mais de uma centena de nomes de pessoas supostamente assassinadas pela esquerda e da qual se sabe que incluiu pessoas que estão vivas, é uma afronta ao país e revela o total descompromisso dessa organização com a verdade.

A principal pergunta que se faz, é a seguinte: seria possível encontrar uma só falsidade como essas no relatório da Comissão da Verdade? Não seria porque tudo que revelou a CNA se fez acompanhar de provas, depoimentos, investigação exaustiva.

O trabalho da Comissão da Verdade destinou-se a purgar um tipo de ação do Estado que é incompatível com a democracia e com o Estado de Direito, ou seja, o Estado agir criminosamente, ilegalmente, desumanamente. Os excessos – sob certo ponto de vista – que a resistência à ditadura possa ter cometido foram punidos pela mesma ditadura.

Por fim, voltamos à escolha de manchetes, essa “ciência” sem lógica. Todos sabem que a direita aponta “vítimas da esquerda”. Essa “notícia” que foi à primeira página da Folha é o “cachorro mordendo o homem”. Já a lista do Clube Militar de “mortos pela esquerda” conter pessoas que estão vivas, é o homem mordendo o cachorro.  Qual deveria ir à primeira página?

*****

Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2014/12/jornal-manipula-manchetes-mas-desmascara-clube-militar/

04.12.2014
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães

trensalão capaEnquanto céus e terras se movem para inventar pagamento de propina com recibo, nas instâncias de investigação que julgam e condenam políticos só quando são petistas, tucanos envolvidos em escândalo que em tudo se assemelha ao da Petrobrás vão saindo à francesa, sob os auspícios da PF e do STF.

Esse caso é uma bofetada no rosto da sociedade, sobretudo da sociedade-zumbi que povoa São Paulo, ainda que esta não se manque.

Na última quinta-feira (4), a Polícia Federal concluiu o inquérito sobre o cartel de empresas fornecedoras de trens para o Metrô e para a CPTM, esquema que operou em São Paulo entre 1998 e 2008 (dez anos inteirinhos) sem que os então governadores Mario Covas, Geraldo Alckmin e José Serra soubessem qualquer coisa.

Governante tucano tem direito de “não saber”, ao contrário de governante petista.

A PF indiciou 33 investigados por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de cartel e crime licitatório. Nenhum desses indiciados é político. Só laranjas foram acusados. Meros funcionários, tanto das empresas corruptoras quanto das corrompidas.

Alguns deles ainda trabalham nas empresas estatais paulistas, inclusive.

O perfil de indiciados é muito parecido com o do escândalo da Petrobrás. São servidores públicos, doleiros, empresários e executivos de grandes empresas que participaram de esquema de divisão de contratos com o Metrô de São Paulo e com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

As estatais “foram usadas, foram vítimas” do ajuste das empresas, diz a PF. Não são como a Petrobrás (SIC), que “sabia de tudo”…

O que difere em um esquema criminoso que teve início há 16 anos – e que só começou a ser investigado em 2008 – para o caso Petrobrás é que, de forma espantosa, essas empresas que corromperam funcionários públicos das estatais Metrô e CPTM fizeram tudo isso sem envolver um mísero político, segundo a PF.

José Serra, por exemplo, apesar de ter sido acusado por um ex-executivo da Siemens, Nelson Marchetti, de ter orientado a multinacional alemã a não entrar com ação na Justiça contestando a contratação da espanhola CAF na licitação para compra de 384 carros da CPTM, segundo a PF “não sabia” de nada.

Mas Serra não foi o único político investigado. Em outubro de 2013, a PF tomou depoimentos de dois ex-diretores da Siemens, em uma delação premiada igualzinha à do caso Petrobrás. Everton Rheinheimer, um dos delatores, citou deputados do PSDB, do DEM e do PPS como beneficiários de propinas do cartel.

Porém, alegando falta de indícios, o Supremo Tribunal Federal arquivou os inquéritos contra o senador Aloysio Nunes Ferreira, do PSDB, e contra os deputados federais Arnaldo Jardim, do PPS, e Edson Aparecido, do PSDB.

Contudo, o escândalo que seria um esquema dessa envergadura não envolver um mísero político, tem chance (pequena) de não ocorrer. O Supremo ainda analisa suspeitas contra os deputados Rodrigo Garcia, do DEM, e José Anibal, do PSDB. Eles foram citados em delação premiada feita pelo ex-diretor da Siemens Everton Reinheimer.

Dois ministros já votaram para acabar com essa coisa incômoda de investigar demos e tucanos e decidiram-se pelo arquivamento da denúncia. Outros dois posicionaram-se a favor da continuidade da investigação. O julgamento, porém, foi interrompido por pedido de vista de um dos ministros.

O recurso de “acompanhamento processual” do site do STF mostra quem decidiu o que no STF após a escandalosa conclusão da PF, que age de forma tão diferenciada quando os envolvidos em escândalos são do PSDB. Confira, abaixo, o que diz o andamento do processo 3815 do Supremo.

trensalão

*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2014/12/trensalao-pf-toffoli-marco-aurelio-e-fux-claro-matam-no-peito/